DPS (Dispositivo de Proteção Contra Surtos)

    Quem nunca levou um aparelho eletrônico para a "Eletrônica" do Joaquim para ser consertado porque este queimou-se com um suposto "raio" que "caiu" nas proximidades da casa?

    E pior, o técnico após olhar o aparelho disse "lamento dona, mas deu PT", sem conserto!

    Quando o dano causado pelo "surto elétrico" é pequeno, o conserto na maioria das vezes é fácil e custa na maioria dos casos R$ 100,00 (alguns cobram isso só trocando um fusível), bem como pode ser mais caro dependendo da complexidade do defeito. Um detalhe interessante para vc saber: eu já trabalhei consertando aparelhos eletrônicos, quando o técnico passa à vc o orçamento do conserto, na verdade seu aparelho já foi consertado, não há como orçar um conserto sem primeiro consertá-lo, se o cliente "chorar" e não houver negociação, o técnico desfaz o serviço (esse "desfazer" o serviço pode ser perigoso para seu aparelho), é assim que funciona, mas claro, o técnico nunca fala que o aparelho já está consertado.

    Voltando ao assunto...

    Esses transtornos de queima de aparelhos podem ser minimizados, instalando-se DPS's (Dispositivo de Proteção Contra Surtos) no Quadro Geral de Distribuição elétrico, e/ou na "Entrada Padrão", bem como em combinações diversas, conforme determina a NBR-5410 (Norma da ABNT para instalações elétricas em baixa tensão).

    O termo CORRETO é DPS, mas alguns "fabricantes" por aí os nomeiam de "Pára-Raios Eletrônico", "Anti-Surto" e outros nomes de imaginação, mas, o termo correto é DPS (Dispositivo de Proteção Contra Surtos).

    Os "surtos elétricos" podem ser provenientes de Descargas Atmosféricas diretamente sobre a edificação ou nas localidades, bem como devido à manobra de Disjuntores, Contatoras, partida de motores elétricos e demais equipamentos que "geram" picos de tensão na rede. Ou seja, não é preciso haver um "raio" para que sua TV queime, se um vizinho seu possuir um equipamento elétrico que "gere" picos de tensão de retorno na rede elétrica, sua TV queimará da mesma forma, se não possuir um sistema de proteção com DPS's. O DPS é utilizado também em aparelhos que "sujam" a rede elétrica com picos de tensão, assim os "surtos" ficam limitados à máquina e não se propagam à rede elétrica.

    Um DPS não é coisa de outro mundo. O DPS em seu invólucro "DIN" possui um Varistor, sistema de sinalização de funcionamento (que pode ser um LED, NÉON, etc.), um dispositivo térmico de proteção (que "abre" o circuito do DPS em caso de queima/falha), e bornes de entrada das fases/neutro e saída para o "terra".

    Na verdade o componente chave do DPS é o "Varistor". Varistor é um componente eletrônico, que pode ser comprado em qualquer loja de materiais de reparo eletrônico, custa por volta de R$ 1,50.

    As TV's, rádios e DVD's mais modernos possuem internamente na fonte de alimentação "Varistores" de proteção, para proteção dos aparelhos caso o usuário o ligue em "tensão" errada ou receba algum surto elétrico, sendo necessário então levá-lo à eletrônica do Joaquim para trocá-los.
    Já que as TV's já vem com varistores da mesma forma que os DPS's, porque os aparelhos eletrônicos mesmo assim precisam ser levados à eletrônicas para conserto?
    Veja bem, se todas as TV's durassem a vida inteira, o que seria dos fabricantes? Pois então os equipamentos eletrônicos vem com varistores de proteção, mas apenas para proteção simples se é que me entende.

    Os DPS's tem classificações conforme sua disposição no sistema elétrico ao qual se deseja proteger:

Classe B: Instalações sujeitas à descargas diretas nos Pára-Raios da edificação ou descargas vindas pela rede elétrica.Usado em Industrias, Edifícios de elevada altura, etc...

Classe C: Instalações elétricas gerais, que muito provavelmente receberão "surtos" somente pela rede elétrica. Usado em Residências, Comércios e edificações de pequenos porte...

Classe D: Instalações elétricas com equipamentos muito sensíveis aos "surtos elétricos". Usado em hospitais (centros cirúrgicos), centros de telecomunicações, etc...

    Em geral o mais utilizado e de fácil aquisição nas lojas é o de Classe C, pois acaba atendendo a maioria do usuários.

    Vamos tomar um exemplo, comprando-se um DPS Classe C, 280VAC, 40KA, 1.5Kv significa:

A tensão máxima entre Fase e Terra nominal ao qual será instalado, deve ser de no máximo 280VAC.Ou seja, se a tensão ultrapassar 280VAC, o DPS escoará o excesso de tensão "surto" para o "terra".
A corrente máxima suportada pelo DPS neste caso é de 40KA (40.000 amperes, durante microssegundos). Se o "surto" for mais de 40.000A amperes e durar mais de 10/350uSegundos, o DPS queimará.
A tensão máxima que o DPS deste caso suportará é de 1.5Kv (1.500V), se o "surto" passar de 1.500V o DPS não suportará e queimará.

    O DPS funciona da seguinte maneira:

    Instala-se o DPS na região ao qual se deseja proteger os equipamentos, pode ser no Quadro de Distribuição ou na "Entrada Padrão" ou em combinação. Para tanto, além do DPS é necessário que haja um "Sistema de Aterramento" bem feito, interligado com o "terra" da "Entrada Padrão". Pois quando houver um "surto elétrico" o DPS "escoará" este surto para o "aterramento" (outro assunto). Quando o surto é muito forte, acima do nível de suportabilidade do DPS, o DPS queima-se devido ao efeito Joule (aquecimento demasiado), neste caso o "dispositivo térmico" interno desliga a fase/neutro para que não haja corrente de fuga constante para o "terra", bem como o DPS sinaliza "defeito" no seu corpo, sendo então necessário sua troca.

    Um DPS, dependendo do fabricante e modelo, custa por volta de R$ 130,00, podendo ser encontrado em qualquer loja de materiais elétricos.

    Mesmo comparando-se o preço do DPS com o conserto de um aparelho eletrônico, seu uso compensa em muito, pois sua durabilidade é grande, ou seja, com um investimento médio de R$ 130,00 (não incluso sistema de aterramento) seus aparelhos eletrônicos estarão protegidos por diversas vezes em que houverem "surtos elétricos".

    Em TODOS os casos em que presenciei até hoje, o DPS ACABOU com problemas de queima de equipamentos eletrônicos nas edificações dos clientes. Haviam clientes que ligavam desesperadamente pedindo uma solução, pois equipamentos caros queimavam sem causa aparente. Com a instalação dos DPS's e de sistema de aterramento interligado ao "terra" da "Entrada Padrão" e com a "Malha de Terra" do SPDA (Pára-Raios), o problema SUMIU e NUNCA MAIS os clientes ligaram reclamando!

    Mas fique atento com certas promessas de proteção contra surtos e contrate profissionais experientes no ramo, pois do contrário, não surtirá efeito.

 

         
                DPS (DIN)                                         Varistor

 

    Se deseja saber mais sobre DPS's, acesse os sites dos fabricantes, alguns deles são:

www.piallegrand.com.br
www.moller.com.br
www.siemens.com.br
www.steck.com.br
 

    A Engenharia Eletrotécnica presta serviços de consultoria/projeto na área de SPDA (Sistema de Proteção Contra Descargas Atmosféricas), bem como sistemas de aterramento e proteção elétrica. Peça-nos um orçamento!

                              

 
Soluções sob medida para indústrias que procuram inovar na tecnologia de seus equipamentos.

                     Inovação